02/07/2020

A obra de ampliação da rede canalizada subterrânea para distribuição do gás natural em Sapiranga, prevista para este ano, foi concluída pela Companhia de Gás do Estado do Rio Grande do Sul - Sulgás.  Foi construído um ramal com 1,5 km de extensão para atender o Hospital Sapiranga e uma indústria de massas.

"Concluímos a obra de rua em maio, ligamos o cliente industrial no mesmo mês e iniciamos o fornecimento ao Hospital Sapiranga no fim de junho, após a conclusão das adaptações internas e conversão de equipamentos para uso do gás natural pela instituição”, explica o diretor-presidente da Sulgás, Carlos Camargo de Colón.

Sapiranga já contava com uma infraestrutura de fornecimento de gás natural que abastecia clientes dos segmentos industrial, veicular e geração de energia elétrica, e vem apresentando um consumo crescente. Com esta nova expansão, a rede no município passa a ser de 4,3 km, com possibilidade de que ela avance para o Centro da cidade futuramente.

Benefícios para a saúde pública  – O executivo da Sulgás comenta que o uso do gás natural trará benefícios ambientais para a comunidade e para o hospital, já que a queima do energético não emite particulados (fuligem), melhorando a qualidade do ar. Alia a isso outra vantagem, a segurança operacional. “Como o fornecimento é por rede canalizada e contínuo, não haverá a necessidade de estocagem, nem de reposição de combustível, o que diminuirá a circulação de pessoas, auxiliando no distanciamento social necessário atualmente”, esclarece  Colón.
 
A ampliação da rede da Sulgás chega num momento oportuno para a Sociedade Beneficente Sapiranguense. Uma das principais instituições de saúde da região poderá inaugurar seu novo anexo ao prédio localizado na Rua Getúlio Vargas, 527,  com cocção e aquecimento de água todo feito a gás natural.
 
A diretora executiva, Elita Cofferri Herrmann, relata que o combustível será aplicado em substituição ao aquecimento elétrico para atender a demanda já existente e para contemplar o aquecimento de água de todo o novo anexo. Praticidade e economia foram os principais atributos apontados por ela pra fazer essa troca.
 
O hospital, que existe há 76 anos, atende em média 250 pessoas por dia, dispondo de 149 leitos. Em 2017, iniciaram-se as obras para ampliação da infraestrutura que deverão ser concluídas em 2021.  O projeto de expansão recebe um investimento aproximado de R$ 10 milhões, aplicados no  aumento da capacidade de atendimento na Unidade Intensiva de Tratamento para 20 leitos de UTI Adulto,reforma do Centro Cirúrgico, ampliando de  03 para 04 salas e total reestruturação das Unidades de  Internação SUS e Pronto Atendimento  e  Emergência. No novo anexo, também está previsto uma clínica de oncologia, sendo esta última um serviço terceirizado.
 
“Vamos ter uma estrutura mais moderna e confortável para usuários, visto que a estrutura atual é muito antiga e não contemplaria as adequações exigidas pelas normas de legislação”, diz Elita.